sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Quando os peixes caíram do céu como chuva - parte 2


Um certo Ron Spencer, do Lancashire, passou por uma experiência semelhante 86 anos mais tarde, quando prestava serviço militar na RAF', em Kamilla, na Índia, próximo da fronteira com a Birmânia. Spencer, quando falava na BBC Radio 4 em Abril de 1975, depois de escutar o relato de outro ouvinte a descrever a sua experiência com a chuva de peixes, disse que sempre adorara ir tomar banho debaixo da chuva das monções. Certa vez, encontrava-se ele nu em pleno ritual, quando «começou a ser atingido por objectos e, ao olhar em volta, viu miríades de pequenas formas a contorcer-se no chão e milhares a serem arrastadas pela água que caía dos telhados e corria ao longo dos regos, até aos arrozais. Eram peixes pequenos, do tamanho de sardinhas. Escusado será dizer que, pouco depois do temporal passar, não restava nenhum. A bicharada que pululava por ali chamara-lhes um figo.»

Há relatos vindos de todo o lado, porém, não se conhece nenhum estudo disponível com todos eles reunidos. Parece, no entanto, que as chuvadas de rãs e sapos são mais abundantes do que as de peixes. O Dr. E. W. Grudger, do Museu de História Natural dos Estados Unidos da América, por exemplo, recolheu informações e encontrou apenas setenta e oito relatos. Dezassete destes tiveram lugar nos Estados Unidos da América, treze na Índia, onze na Alemanha, nove na Escócia, sete na Austrália e cinco em Inglaterra e no Canadá. Gilbert Whitley, no entanto, ao estudar os dados existentes no Museu da Australásia, registou mais de cinquenta chuvas de peixes só na Australásia, ocorridas entre 1879 e 1971.

Uma das primeiras referências a uma queda de peixes do céu pode ser encontrada no Deipnosophistai, um texto grego antigo, compilado em finais de segundo século a. C. por Athenaeus. Estes fragmentos, retirados dos registos de cerca de oitocentos escribas, contêm o seguinte relato: «[...] Sei que também choveram peixes. Em todo o caso, Phoenias, no segundo livro do seu Eresiam Magistrates, afirma que em Chersonesus, certa vez os peixes caíram ininterruptamente durante três dias, e Phylarchus, no seu quarto livro, diz que era frequente as pessoas verem cair peixes do céu.»

O primeiro caso conhecido em Inglaterra teve lugar em Kent, em 1666, e foi referido no Philosophical Transactions publicado em 1698. No entanto, apesar da abundância de relatos autenticados e fiáveis sobre a ocorrência de quedas de peixes do céu, ainda ninguém explicou convincentemente o «porquê» de tais acontecimentos. Uma das sugestões mais plausíveis é a de serem provocados por tornados, trombas-d'água ou tufões que ergam água contendo peixes até ao alto, formando uma nuvem cerrada que depois é empurrada para terra. 

Outras explicações incluem a hipótese de o fenómeno ser causado pela «migração de peixes sobre terra», de aves que se alimentam de peixe vomitarem ou deixarem cair o seu alimento, de o peixe ficar retido em poças de água derivadas de cheias ocorridas em lagos ou rios e de o peixe que ficou a hibernar enterrado na lama voltar à vida, devido à chuva. Estas possibilidades, porém, não justificam a variedade de relatos oculares, a série de espécies encontradas no mesmo local, os vários tipos de terreno onde os peixes caíram e as enormes quantidades por vezes registadas. E, mesmo que existam casos bem documentados sobre tornados e trombas-d'água transportando peixes, esta explicação é insuficiente para abranger todos eles.

É certo que os furacões, tornados e trombas-d'água fazem grandes estragos e tendem a levar tudo o que estiver no seu caminho pelos ares, espalhando-o em várias direcções. Porém, este facto entra nitidamente em contradição com a grande maioria das chuvas de peixes. No caso da montanha de Ash, por exemplo, esse fenómeno manifestou-se apenas numa área de setenta e três metros por onze e, no caso de Kent, em 1666, consta que os peixes caíram apenas num determinado terreno e não nos circundantes. A maioria destas ocorrências parece, com efeito, registar-se de acordo com este padrão localizado. Aquele que se pode considerar, talvez, o exemplo mais extremo destas chuvas circunscritas de peixes foi o que teve lugar em Calcutá a 20 de Setembro de 1839. Uma testemunha ocular relatou: «O que me pareceu mais esquisito foi ver que os peixes não caíam a esmo, por todo o lado... mas sim numa estranha linha que não teria mais do que um cúbito (medida antiga com base no comprimento do antebraço).»

Os furacões, como se sabe, movem-se continuamente e existem inúmeras provas de que as quedas de peixes duraram muito mais tempo do que seria possível se fossem provocadas por este fenómeno. A torrente de muitas centenas de enguias-de-areia que se abateu sobre Hendon, nos arredores de Sunderland, a noroeste de Inglaterra, a 24 de Agosto de 1918, é um desses casos. A. Meek, biólogo marinho, afirmou ter assistido a um desses fenómenos, o qual durou uns bons dez minutos e se confinou a determinada área. Mas, mesmo que alguns furacões retrocedam pelo mesmo caminho, algumas das chuvas de peixes ocorreram numa sucessão tão rápida que teria sido impossível associá-las a um único furacão. John Lewis, na montanha Ash, por exemplo, testemunhou «duas chuvadas com um intervalo de dez minutos, tendo cada uma durado cerca de dois minutos».

Tudo indica que a duração das quedas de peixes transportados pelo ar varia consideravelmente. Em alguns relatos, os peixes estavam vivos e revolviam-se no chão, noutros, foram encontrados mortos, embora frescos e comestíveis. Custa a acreditar que estas criaturas tenham tombado no chão sem que tal lhes custasse a vida, mas o certo é que, segundo os indícios, mesmo os espécimes que morreram não foram vitimados pela queda. Mais intrigantes ainda são as chuvas de peixes mortos. Na Índia, em duas ocasiões, uma em Futte-poor, em 1833, e outra em Allahabad, em 1836, os peixes que caíram do céu não só estavam mortos como também secos. No primeiro caso, o número de espécimes registados foi três a quatro mil, todos da mesma espécie. É difícil imaginar como é que um furacão manteve no ar tanto peixe durante o tempo suficiente para secarem. No entanto, apesar da enorme publicidade feita pela imprensa indiana na altura, não apareceu ninguém a declarar que vira um furacão arrebanhar um valioso amontoado de peixe seco!

Retirado de "Contra toda a Lógica"
Orbis Publishing Limited
Círculo de Leitores

Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos