sexta-feira, 15 de abril de 2016

Sangue e Lágrimas - parte 2



Na primeira semana, cerca de quatro mil pessoas passaram pelo apartamento de Pagora Catsounis, a fim de verem o milagre e orarem, enquanto as lágrimas caíam incessantemente. Depois o quadro foi transferido para a Igreja de S. Paulo. Foi então que apareceu uma outra Nossa Senhora a chorar na família. Pertencia a Antonia Koulis, tia de Pagora Catsounis. As circunstâncias levantaram algumas dúvidas, no entanto, o fenómeno foi certificado pelo próprio arcebispo. Consta que a imagem chorava copiosamente e que, quando o padre Papadeas deixou os jornalistas pegarem no quadro, este ainda estava húmido. Foram retiradas amostras do líquido para análise, concluindo-se então que não se tratava de lágrimas humanas. Esta imagem, à semelhança da anterior, também foi colocada num relicário da Igreja de S. Paulo. Antónia Koulis recebeu outra em sua substituição e também esta começou a chorar. Foi então que Raymond Bayless iniciou as suas investigações, como é referido na revista Fate de Março de 1966.

Um exame feito de perto à superfície da pintura revelou manchas por baixo dos olhos, formadas por partículas cristalizadas de algo semelhante a soro. As acumulações, depois de secas, não caíram. Quando Bayless examinou a imagem pela segunda vez, estas «lágrimas» continuavam no mesmo sítio, e não encontrou orifícios de qualquer tipo por onde pudesse ter sido introduzido líquido na zona central do quadro. Bayless declarou: «Durante a nossa primeira visita, uma mulher que fazia de intérprete gritou, de repente, que uma nova lágrima estava a cair de um dos olhos. Olhei de imediato, mas confesso que não vi absolutamente nada. Alguns dos curiosos e dos devotos ficaram convencidos de que tinham visto lágrimas a deslizar pela face da imagem e¬quanto eu e o meu amigo nos encontrávamos presentes. Por outro lado, ficámos os dois convencidos, devido à nossa observação meticulosa, de que a lágrima não era líquida nem flutuou ou desceu uma fracção de milímetro sequer.»

O caso da estatueta que sangrava de Anne Poore é completamente diferente. Quando Anne recuperou do choque ao testemunhar este sangramento repentino, colocou a estatueta no centro de um santuário que mandou construir no alpendre da frente de sua casa onde muita gente a ia ver. Nas sextas-feiras e nos dias santos, o fluxo de sangue era particularmente intenso, escorrendo numa cadência cíclica, que fazia lembrar os sangramentos regulares de alguns estigmatizados. 

A estatueta acabou por ser levada para a Igreja Episcopal de S. Lucas, em Eddystone, na Pensilvânia, e instalada sobre uma plataforma três metros acima do altar. O padre Chester Olszewski, pastor daquela igreja, relatou: «.A. imagem sangrou durante quatro horas. Tenho a certeza de que não pode haver qualquer truque. Vi as palmas secas e minutos depois reparei que saíam gotículas de sangue das chagas... 

Parece incrível, mas o sangue raramente escorre pela estatueta. As suas vestes estão agora cobertas de sangue seco.» Outro sacerdote, o padre Henry Lovett, disse que foi vê-la cheio de cepticismo e voltou convencido de que se tratava de um milagre. «Eu mesmo tirei as mãos da estatueta, que estão presas por cavilhas de madeira, e examinei-as. Eram de gesso sólido. O certo é que a imagem sangrou profusamente diante dos meus olhos.»

Neste caso não restam dúvidas de que um líquido semelhante a sangue fluiu misteriosamente das chagas de Cristo da estatueta. Mas seria realmente sangue? O Dr. Joseph Rovito, conceituado médico de Filadélfia, conduziu pessoalmente uma investigação sobre este assunto. Os raios X não revelaram o menor sinal de reservatório ou de qualquer outro mecanismo ardiloso oculto na estatueta, mas os exames feitos ao sangue já não foram tão conclusivos, pois, apesar de identificado como humano, a contagem baixa de glóbulos vermelhos era curiosa e indicava uma idade avançada. Por outro lado, o facto de o sangue percorrer uma determinada distância antes de coagular indicava que era razoavelmente fresco, porém, o sangue fresco contém milhões de glóbulos vermelhos, ao contrário do que sucedia com o sangue examinado. Assim, o padre Lovett, tal como outros católicos, concluíram imediatamente que se tratava do sangue de Cristo.

Estas estatuetas tornam-se, quase sempre, objecto de culto, portanto, há a tendência para que o aparecimento misterioso de líquidos nas mesmas ou nas suas imediações seja interpretado num contexto religioso. No entanto, fora deste contexto, existem relatos quase idênticos de uma série de fenómenos do mesmo tipo: tumbas que sangram, por exemplo, manchas de sangue, persistentemente húmidas ou recorrentes, nalgumas casas assombradas (indícios, talvez, de algum assassino lendário) ou a emissão constante de substâncias tais como óleos de cor clara ou fluidos semelhantes a sangue, que parecem vir de relíquias de alguns santos.

Uma vez confirmada a não existência de truques e explicações de tipo natural, como a condensação, e tendo-se determinado que o fluxo de sangue não provém do interior da estatueta, só resta aceitar que o líquido aparece na superfície do objecto, ali se materializando de uma proveniência desconhecida, através do fenómeno misterioso da telecinese. 

Essa é, provavelmente, a mesma explicação a dar para o aparecimento de lágrimas em estatuetas e ícones. No entanto, estes líquidos não surgem ao acaso, pelo contrário, são notoriamente coerentes, pois limitam-se a locais onde tanto a fé como a lenda nos levam a esperar acontecimentos milagrosos. Este aspecto ainda é mais marcante na associação entre o sangramento e imagens de Cristo e entre as lágrimas e imagens da Virgem Maria. Esta associação regular sugere três possibilidades: que a força telecinética é criada por uma inteligência desconhecida, que ela actua automaticamente, em resposta a imagens especialmente poderosas na mente humana, ou então a um nível instintivo ou inconsciente.

Retirado de "Contra toda a Lógica"
Orbis Publishing Limited
Círculo de Leitores

Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos