segunda-feira, 25 de abril de 2016

Sangue e Lágrimas - parte 3



O Dr. Scott Rogo, parapsicólogo americano, contou-nos a história do reverendo Robert Lewis, que, no dia da sua ordenação, recordou que a avó — a sua primeira mentora espiritual — chorara de alegria quando ele lhe dissera que queria tornar-se sacerdote. No entanto morrera antes de a ordenação se efectuar e Scott lamentava profundamente não ter podido partilhar essa felicidade com ela. A certa altura, ao olhar de relance para a fotografia da avó que tinha em cima da cómoda, acusou subitamente o colega de lhe ter pregado uma partida.

O amigo, reverendo William Raucher, escreveu mais tarde: «Fui ver o que tanto o perturbava e fiquei estupefacto. A fotografia da avó de Bob encontrava-se completamente ensopada, ao ponto de já haver uma poça debaixo dela. Ao examinarmos a fotografia, reparámos que, por trás do vidro, estava molhada... A parte de trás da moldura, feita de uma imitação de veludo tingido, estava de tal maneira empapada que o tecido ficara às riscas e desbotado. Retirámos a fotografia de dentro da moldura, mas esta não secou normalmente. Quando, por fim, tal aconteceu, a zona em volta do rosto continuou inflada, como se a água tivesse tido origem ali, escorrendo dos olhos.»

Rogo alvitrou que Lewis utilizara inconscientemente uma capacidade telecinética para projectar uma emoção forte no que o rodeava. «Lewis sofreu um minitrauma quando passou nos exames de ordenação», escreveu Rogo. «Era frequente a sua avó chorar de alegria e ele desejara partilhar a sua alegria com ela, queria vê-la chorar de felicidade, portanto, serviu-se da sua capacidade psíquica para desencadear o acontecido.»

Rogo adiantou ainda que não se tratava do poder bizarro de um indivíduo, mas sim do facto de todos nós podermos ser senhores desta capacidade para provocar transformações dogmáticas no que nos rodeia, projectando de dentro de nós emoções fortemente sentidas ou reprimidas. Este tipo de projecção paranormal, na qual os acontecimentos estão ligados às tensões espirituais ou psicológicas dos envolvidos, assume duas formas clássicas: os fenómenos inquestionavelmente religiosos e as perturbações conhecidas por actividade poltergeist. Em ambos os casos, os teóricos contemporâneos relacionam o desencadear de actividade ou a manifestação súbita de fenómenos com alguma crise interior. Essa crise pode assumir muitas formas, tais como o despontar da puberdade, e as complicações físicas e emocionais que lhe estão associadas, ou a pressão crescente de doenças, frustrações e desajustamentos.

Para quem tem fé, o aparecimento súbito de sangue ou lágrimas constitui um milagre; para outros, no entanto, é indício de uma forma de histeria, ou seja, o subconsciente encena esses acontecimentos aparentemente místicos para quebrar um círculo vicioso de depressão e autocomiseração. Não há dúvida de que muitos dos que têm o azar de se tornar foco de fenómenos poltergeist apresentam indícios de ter sofrido traumas, crises ou alterações importantes. 

Quando Mary Jobson, vitima de poltergeist com treze anos, apareceu com manchas desprovidas de sensibilidade na pele e com edemas, teve convulsões, a mobília do quarto moveu-se e ouviu-se música e vozes, assim como pancadas na parede. Houve mesmo ocasiões em que caíram grandes quantidades de água no chão, vindas não se sabe de onde.

Que estes fenómenos ocorrem não restam dúvidas, no entanto, só podemos calcular o como ou o porquê. Os factos sugerem o transporte telecinético de líquidos, mas de onde eles provêm continua a ser um mistério até hoje. Igualmente estranha é a diferença entre determinados tipos de projecção paranormal e a maneira como são afectados os indivíduos perturbados por elas. Tal como o Dr. Nandor Fodor, investigador, observou, «o tipo de êxtase que as Nossas Senhoras que choram provoca transmite ânimo, enquanto o poltergeist assusta e destrói irracionalmente».


Retirado de "Contra toda a Lógica"
Orbis Publishing Limited
Círculo de Leitores

Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos