quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Flores da Ressurreição

O dr. Nandor Fodor era psicanalista e pesquisador de fenômenos psíquicos, um homem muito querido por aqueles que o conheciam. Quando morreu, em 17 de maio de 1964, objetos em seu apartamento começaram, misteriosamente, a se mover, como se o falecido pesquisador estivesse tentando demonstrar ao mundo que a existência dele não terminara. Mas foi o comportamento das flores do terraço que mais impressionou sua mulher.
- Em nosso terraço existem muitas flores - explicou ela. - As rosas normalmente duram quatro dias, quando então perdem as pétalas e formam-se novos botões. No entanto, após a morte de meu marido, as rosas, cerca de 150, se abriram ao mesmo tempo e duraram várias semanas.
Quanto mais Amaya Fodor observava as rosas, mais aumentava seu interesse.
- Durante aquele período de tempo, nenhuma rosa perdeu uma única pétala - informou ela. - Então, um dia, todas elas murcharam ao mesmo tempo. Eu as cortei e, enquanto podava, pedi apenas uma rosa.
Ela se abriu uma semana depois e durou várias semanas. Essas rosas misteriosas poderiam ter florescido por coincidência? É uma possibilidade, porém é preciso que todos saibam que a história de Amaya Fodor não é um caso isolado. A conhecida romancista Taylor Caldwell relata experiência similar, na edição de outubro de 1972 da publicação Ladies' Home Journal. A sra. Caldwell e seu marido, Marcus Rebak, tinham um arbusto de lírios que nunca florescia - nem uma única vez em 21 anos. Rebak costumava brincar com a mulher, afirmando que, embora aquele tipo de flor nos EUA seja conhecido como lírio-da-ressurreição, ela não poderia provar que havia vida após a morte com aquelas flores. No entanto, quando ele morreu, em abril de 1970, os lírios finalmente se abriram - no dia de seu enterro.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos