quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Uma Visão Compartilhada

Carl Jung, famoso psiquiatra suíço, também era conhecido por seu interesse pelo ocultismo. Todo assunto relacionado aos fenômenos paranormais aguçava-lhe o intelecto. Jung observou de perto o nascimento da parapsicologia, estudou astrologia e alquimia, e registrou meticulosamente suas próprias experiências paranormais. Muitas dessas experiências estão relatadas no livro autobiográfico Memories, Dreams, Reflections (Memórias, Sonhos, Reflexões).
A experiência mais estranha vivida por Jung ocorreu em 1913, quando visitava a tumba de Galla Placidia, em Ravena, com uma amiga. O psiquiatra ficou particularmente impressionado com um mosaico de Cristo estendendo a mão para Pedro, que afundava nas ondas. Jung e a amiga examinaram o mosaico por 20 minutos e trocaram idéias a respeito do rito original do batismo. Jung jamais esqueceu aquela obra de arte. Chegou até a querer comprar uma cópia ampliada do mosaico, porém não conseguiu encontrar nenhuma.
Quando retornou a casa em Zurique, Jung pediu a outro amigo, que pretendia viajar para Ravena, que obtivesse a reprodução do mosaico. O resultado foi surpreendente: o mosaico que Jung e a amiga haviam visto simplesmente não existia. Jung relatou o fato à amiga de viagem, que se recusou a acreditar que eles tivessem compartilhado algum tipo de alucinação ou visão. Mas a verdade não podia ser contestada. Jamais houve tal mosaico na parede do batistério.
"Pelo que sabemos", escreveu Jung, "é muito difícil determinar se, e até que ponto, duas pessoas podem ver, simultaneamente, a mesma coisa. Nesse caso, todavia, pude averiguar que, pelo menos, a característica principal do que nós dois vimos foi a mesma." Posteriormente, Jung caracterizou a experiência em Ravena declarando:
- Foi a mais curiosa de minha vida.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos