sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Os Anjos de Mons

No dia 26 de agosto de 1914, a derrotada Força Expedicionária Britânica em Mons, França, excedida em número pelos soldados alemães na proporção de três por um, decidiu bater em retirada. O desastre total assomou no horizonte quando uma unidade da cavalaria do imperador Frederico Guilherme bloqueou a passagem dos ingleses.
Mas o golpe de misericórdia não chegou a acontecer. De repente, os cavalos dos alemães entraram em pânico, empinando nas patas traseiras, com as narinas dilatadas. A cavalaria germânica fugiu em disparada, e os ingleses conseguiram sair do bloqueio em segurança.
O que foi que deteve as espadas dos alemães e assustou-lhes os cavalos? Artigo publicado no Evening News de Londres, um mês após essa miraculosa sobrevivência, diz que os soldados ingleses haviam sido poupados pela visão de um esquadrão de anjos pairando sobre suas cabeças. O autor do artigo, um tal de Arthur Machen, escritor de histórias de horror e de ocultismo, era, juntamente com W. B. Yeats e Aleister Crowley, membro da Ordem Hermética do Crepúsculo Dourado, a mal-afamada sociedade de magia do século 20.
De acordo com o artigo de Machen, "Os Arqueiros: Os Anjos de Mons", quando os alemães desdobraram forças para a matança final, eles notaram nos céus a visão de um exército fantasmagórico em formação do lado dos ingleses. Ainda mais surpreendente foi o fato de que os anjos estavam materializados como arqueiros ingleses medievais, os longos arcos retesados e as flechas apontadas diretamente para o rosto do inimigo.
A história causou sensação tão grande na Inglaterra que Machen finalmente admitiu que os anjos eram fruto de sua própria imaginação. No entanto, o relato de salvadores celestiais ajudando os soldados britânicos nas trincheiras recusou-se a morrer. Quando os sobreviventes de Mons começaram a voltar para casa, muitos deles contaram histórias que corroboravam a versão dos arqueiros angelicais. Uma torrente de artigos e panfletos apoiou, posteriormente, tal versão.
O reverendo C. M. Chavasse, capelão do Exército, disse que ficara sabendo do episódio pelo relato de um general de brigada e dois de seus oficiais, que estiveram no campo de batalha.
A despeito dos desmentidos de Machen, os anjos de Mons passaram a ter vida própria. Inconsciente do que fizera, talvez Machen penetrara na consciência coletiva da Inglaterra destruída pela guerra. Sem dúvida, os anjos levantaram o moral nos dias mais sombrios, quando os jovens ingleses estavam sendo massacrados desordenadamente nos campos da França. E no fim o artifício, se é que houve um, funcionou. Os ingleses e seus aliados saíram-se vitoriosos. Os anjos, afinal de contas, colocaram-se do lado do Exército vencedor.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos