sábado, 31 de março de 2018

Peixes Cadentes

No século passado, a Academia Francesa de Ciências declarou que os meteoros não existiam. Os camponeses que declaravam ter visto pedras caindo do céu, disseram os acadêmicos, estavam simplesmente imaginando coisas.
O barão de Cuvier, naturalista francês que formulou as leis da anatomia comparada e lançou as bases da paleontologia animal, declarou categoricamente:
- Pedras não podem cair do céu, porque não existem pedras no céu.
Nos dias de hoje, a ciência responde de forma similar aos difundidos relatórios de peixes cadentes. Como não existem peixes no céu, objetam os cientistas ortodoxos, como eles poderiam cair das nuvens?
Se tais histórias forem verdadeiras, os peixes devem ter sido sugados para fora da água por um redemoinho de vento, transportados a pequenas e grandes distâncias, e então despejados no quintal de alguém.
O fato inegável é que peixes, realmente, caem do céu. A cidade de Cingapura, por exemplo, foi abalada por um terremoto no dia 16 de fevereiro de 1861 e, durante os seis dias seguintes, caiu uma chuva torrencial. Depois que o sol surgiu, no dia 22, o naturalista francês François de Castlenau olhou pela janela.
- Vi uma grande quantidade de malaios e chineses enchendo cestos com peixes, apanhados nas poças de água que cobriam o chão - declarou.
Ao perguntar àquelas pessoas de onde tinham vindo tantos peixes, elas simplesmente apontaram para cima. A "chuva de peixes", envolvendo peixes-gatos, uma espécie de peixes nematógnatos (sem escamas) encontrados no local, cobriu uma área de mais de 20 hectares.
Quase um século mais tarde, no dia 23 de outubro de 1947, o biólogo marinho D. A. Bajkov tomava seu café da manhã em Marksville, Louisiana, quando começou a chover. Pouco depois, as ruas estavam repletas de peixes. Bajkov identificou-os:
- Eram peixes-luas, peixes fluviais de olhos saltados, e percas de até 23 centímetros de comprimento.
Esses peixes foram encontrados também nos telhados, já mortos, mas ainda comestíveis.
Os peixes não são a única matéria animada a cair do céu. Aqueles que registram esse tipo de anomalia também já relataram dilúvios de pássaros, rãs, ratos, cobras, sangue, e até mesmo pedaços de carne crua, sugerindo que os céus podem guardar outras variedades de alimentos, além do maná que, segundo a Bíblia, teria caído para alimentar os israelenses.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

quinta-feira, 29 de março de 2018

Sai Baba, o Iogue Reencarnado

A ciência moderna considera os milagres religiosos coisas do passado. Assim, eles podem ser comodamente desconsiderados, como produtos de uma era mais ingênua.
Não obstante, discípulos de inúmeros líderes religiosos continuam a testemunhar eventos paranormais que remontam aos profetas e messias de outras eras. A mais conhecida dessas divindades contemporâneas é Sai Baba, um iogue que afirma ser a reencarnação de seu homônimo, Sai Baba, de Shirdi, que morreu em 1918, oito anos antes de seu nascimento na província de Puttaparti.
O segundo Sai Baba levou uma vida relativamente normal até atingir a idade de 14 anos, quando sofreu um derrame cerebral debilitante, durante o qual ele periodicamente cantava e recitava passagens poéticas da filosofia védica. Emergindo da doença, que o deixou em uma espécie de transe, Sai Baba de repente anunciou para seus pais que era um avatar, ou uma reencarnação divina, do famoso homem santo que morrera quase uma década antes de seu próprio nascimento.
Outros iogues declararam ter conseguido realizar um ou dois milagres mediúnicos durante suas carreiras públicas. Sai Baba, por outro lado, realiza milagres com a mesma facilidade com que muitos de nós conferimos o saldo bancário ou escrevemos uma carta.
Entre os atos de fé supostamente realizados por Sai Baba estão o tele-deslocamento, a levitação, a telecinésia e a manifestação de objetos materiais - ele parece ter uma distinta preferência por pétalas de rosas - que surgem do nada. Dizem que Sai Baba também já ressuscitou mortos e multiplicou aumentos uma centena de vezes.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

terça-feira, 27 de março de 2018

O Dinossauro Mokele-Mbembe

Os cientistas, em sua maioria, afirmam que os dinossauros foram extintos há milhões de anos. Mas o povo da República dos Camarões, país da costa ocidental da África, continua a relatar aparições de uma imensa criatura de quatro patas, que apresenta incrível semelhança com um brontossauro, dinossauro que, segundo estudiosos, chegava aos 20 menos de comprimento e pesava 35 toneladas. Na verdade, os habitantes locais, ao se defrontarem com a ilustração de um brontossauro, referem-se a ele como mokele-mbembe.
Os primeiros relatos autênticos de mokele-mbembe foram coligidos pelo capitão Freiherr von Stein zu Lausnitz, em 1913. De acordo com seu relatório, o animal, do tamanho de um elefante, tinha cor amarronzada, pele lisa e o pescoço comprido e flexível. Esse animal estranho, segundo consta, viveria em cavernas subterrâneas protegidas pelo rio, e toda canoa que ousasse se aproximar desaparecia nas águas.
No entanto, em pelo menos uma ocasião, um grupo de pigmeus supostamente matou uma das criaturas e devorou sua carcaça. Aqueles que comeram a carne teriam ficado doentes e morrido.
Recentemente, cientistas ocidentais como Roy Mackal, um biólogo na Universidade de Chicago, montaram quatro expedições aos lagos e rios relativamente isolados da República dos Camarões, à procura do indefinível animal. Embora nenhum espécime tenha sido capturado, animais não identificados, mais ou menos semelhantes aos relatados pelos nativos, foram vistos, fotografados, e até filmados em vídeo.
Infelizmente, a situação política do país e a topografia da região, montanhosa e coberta de florestas, impedem explorações que poderiam ser realizadas por pára-quedistas. Muitos observadores ocidentais concordam que, se um dinossauro quisesse se esconder, dificilmente poderia ter escolhido lugar melhor. Mas, talvez, um dia, até mesmo esses impedimentos possam ser superados, e o mundo saberá se aquela região guarda um remanescente vivo de seu passado fantasticamente remoto.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

domingo, 25 de março de 2018

Os Homens de Preto

Talvez o aspecto mais estranho do já desconcertante fenômeno dos OVNIs sejam as figuras semidemoníacas conhecidas em inglês como MIB (Men in Black), os Homens de Preto. A primeira informação sobre os MIB na moderna ufologia veio de Albert K. Bender, um adolescente aficionado pelos OVNIs, que dirigiu o International Flying Saucer Bureau e publicou o boletim noticioso Space Reviezv, da agência internacional dedicada ao estudo de discos voadores.
Em setembro de 1953, Bender declarou ter sido abordado por três homens vestidos com ternos pretos, que o advertiram que ele deveria abandonar suas pesquisas com OVNIs, se quisesse continuar vivo. Bender abandonou seus estudos ufológicos, mas o fenômeno dos homens de preto continuou. O investigador de OVNIs John Keel, por exemplo, conversou com inúmeras testemunhas que afirmaram ter sido confrontadas por entidades MIB similares.
Alguns dos aspectos incomuns do fenômeno dos homens de preto emergiram quando os relatórios foram estudados pelo antropólogo Peter Rojcewicz.
- Por exemplo - nota Rojcewicz -, esses homens estranhos vestem-se sempre de preto, usando ternos que podem parecer puídos e amassados, ou irrealisticamente limpos e sem dobras. Em certas ocasiões, eles demonstram uma forma de caminhar muito peculiar, movimentando-se como se os quadris estivessem apoiados sobre juntas articuladas, os troncos e pernas desarticulados. Alguns demonstram preferência por Cadillacs pretos ou outros sedãs grandes e pretos. Alguns desses homens de preto têm cabelos estranhos, sugerindo que cresceram desigualmente após terem sido recentemente raspados. – Homens de preto de quase todas as raças e compleições já foram vistos - continua ele -, com predominância de características asiáticas.
Os motivos dos homens de preto continuam envoltos em mistério, embora quase sempre se limitem a colher informações sobre os OVNIs e a advertir as testemunhas de que elas devem evitar novos envolvimentos com o assunto.
- Eles podem aparecer na casa ou no local de trabalho de uma testemunha - conclui Rojcewicz -, exigindo fotos ou negativos de objetos voadores não identificados, antes mesmo que a testemunha tenha tido oportunidade de divulgar publicamente estar de posse de tais provas.
Nessas ocasiões, os homens de preto agem como se fossem agentes do Serviço Secreto.
O grande enigma é saber de onde os homens de preto surgem e para onde se dirigem, após terem realizado sua brincadeira de mau gosto. O que se sabe, no entanto, é que sua presença turva ainda mais as águas já obscuras dos OVNIs.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

sexta-feira, 23 de março de 2018

O Rei do Mundo

De acordo com as crenças de muitos monges e tibetanos (e atestado por muitos monges budistas que declaram já tê-lo visitado), existe um vasto país subterrâneo chamado Arghati sob o grande planalto da Ásia Central. Pelos túneis de Arghati, segundo diz a profecia, um dia emergirá o místico Rei do Mundo e seus súditos.
"Antes do surgimento do rei, por volta do final do atual milênio", afirma a profecia budista, "os homens negligenciarão cada vez mais suas almas. A grande corrupção reinará sobre a face da Terra. Os homens se transformarão em animais sedentos de sangue, sequiosos pelo sangue de seus irmãos... As coroas dos reis cairão... Haverá uma terrível guerra entre todos os povos da Terra... nações inteiras morrerão... fome... crimes desconhecidos pela lei... anteriormente inimagináveis ao mundo serão cometidos."
"Durante esse período de impunidade", continua a profecia, "famílias serão dispersadas e multidões acorrerão em grandes quantidades às rotas de fuga, enquanto as maiores e mais bonitas cidades do mundo. .. perecerão pelo fogo. Em cinqüenta anos, existirão apenas três grandes nações... e, nos cinqüenta anos seguintes, acontecerão dezoito anos de guerra e cataclismos... então o povo de Arghati sairá de suas cavernas subterrâneas e subirá à superfície da Terra."

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

quarta-feira, 21 de março de 2018

Foguetes Fantasmas da Escandinávia

Logo após a Segunda Guerra Mundial, antes que a moderna era da ufologia tivesse sido realmente iniciada, muitas pessoas, desde a Noruega até a Finlândia, foram aterrorizadas por objetos fantásticos, semelhantes a foguetes, no céu.
As primeiras aparições, ocorridas na região setentrional da Finlândia, perto do circulo Ártico, no dia 26 de fevereiro de 1946, foram inicialmente descritas como meteoros ou meteoritos. Entretanto, logo tornou-se evidente que uma atividade de meteoros dificilmente poderia ser responsável por centenas de objetos voadores que surgiam durante o dia, cujos formatos eram comparados a bolas de rúgbi, charutos, projéteis e até mesmo torpedos de prata.
Tais objetos, na verdade, pareciam mais se ajustar ao formato dos foguetes nazistas V-l e V-2, que despejaram morte e destruição em Londres e outros alvos no tempo da guerra. Mas as bases alemãs dos mísseis teleguiados em território europeu foram capturadas, bombardeadas ou destruídas. Além disso, o alcance máximo de seus foguetes era praticamente um quarto do que seria necessário para que atingissem o norte da Finlândia, da Noruega e da Suécia, onde proliferavam os relatórios relativos às aparições de foguetes fantasmas. Mesmo se os soviéticos tivessem capturado um contingente de mísseis balísticos V-2 em condições de uso, como os suecos e outros temiam, por que eles os desperdiçariam sobre países escandinavos, sem nenhum objetivo aparente?
O que sabemos é que os escandinavos levaram muito a sério essa questão dos foguetes fantasmas. Proibições contra a publicação de tais relatórios, para que não ajudassem "a potência que estava fazendo as experiências", surgiram na Suécia, pela primeira vez, em 17 de julho de 1946. Dois dias depois, a mesma proibição aconteceu na Noruega, e a Dinamarca impôs vetos similares no dia 16 de agosto.
O blecaute às notícias na Suécia surgiu na esteira de um único período de 24 horas, durante o qual 250 indivíduos de norte a sul do país declararam ter visto um objeto de prata, com o formato de uma lágrima, cruzando os céus. No dia seguinte, o Departamento de Defesa nomeou uma comissão de especialistas civis e militares para cuidar do caso. No total, mais de mil relatórios foram coletados.
Nesse ínterim, os foguetes fantasmas já haviam atraído a atenção internacional. Em 20 de agosto de 1946, David Sarnoff, vice-presidente da RCA (Rádio Corporation of América) e general reformado, pousou no Aeroporto Bromma, de Estocolmo. Com ele viajaram Douglas Rader, coronel reformado da Força Aérea Real, e James Doolittle, um herói de guerra americano. Em 21 de agosto, os três se encontraram com os figurões da Força Aérea sueca.
O que transpirou nessa reunião permanece envolto em segredo. Doolittle, que participou de diversas operações do Serviço Secreto dos EUA após a guerra, recusou-se a falar em público sobre a missão na Suécia. Parece que Sarnoff apresentou um relatório diretamente ao presidente Truman, quando de seu retorno aos EUA. Ele também declarou a um grupo de especialistas em eletrônica que considerava os foguetes fantasmas reais e não imaginários.
A história sempre tendeu a ignorar o significado dos misteriosos mísseis escandinavos porque eles nunca receberam uma divulgação tão grande por parte da imprensa quanto os discos voadores, que vieram logo a seguir. No entanto, perduram muitas dúvidas curiosas. Teriam sido os foguetes parte de um fenômeno fantástico que, de algum modo, assume formatos diferentes como uma reação às ansiedades e preocupações de uma cultura em particular? Ou será que os soviéticos, ou alguma outra potência, sem que o resto do mundo tomasse conhecimento, teriam aumentado o alcance e o desempenho das mais avançadas armas da Alemanha nazista? E, se esse for o caso, poderiam os mesmos criadores de fantasmas ser os responsáveis pelos OVNIs de hoje?

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

segunda-feira, 19 de março de 2018

Wilhelm Reich: Caçador de OVNIs

A carreira do psicanalista austríaco, discípulo de Freud, Wilhelm Reich foi marcada por tantas controvérsias que um de seus trabalhos mais curiosos, a batalha contra OVNIs invasores, passou praticamente despercebido.
Nascido na Áustria em 1897, Reich tornou-se um seguidor das teorias de Freud quando ainda estava na universidade. Na verdade, ele poderia ter sucedido ao mestre da psicanálise se não tivesse se afastado de sua ortodoxia ao dar à repressão sexual caráter principalmente sócio-político, e ao afirmar a necessidade de sublimação dos impulsos sexuais como característica da sociedade capitalista. Ao insistir na tese de que a energia de libido que brota livremente, também conhecida como orgasmo desinibido, era um sinal inquestionável de saúde física e mental, Reich foi expulso da Associação Psicanalítica Internacional. Da mesma forma, ao relacionar a repressão sexual na URSS à ditadura burocrática, que via os seres humanos apenas como forças produtivas, foi expulso do Partido Comunista.
Reich mudou-se para a Escandinávia, onde declarou ter descoberto a "bion", uma microscópica célula azul, unidade básica da formação de toda matéria viva, e o "orgônio", a energia sexual organizadora da própria vida. Expulso da Escandinávia, Reich finalmente foi viver nos EUA, numa propriedade rural do Maine, à qual ele deu o nome de Orgônio, em homenagem a sua descoberta. Foi nos EUA que ele declarou guerra aos OVNIs com seu "caça-nuvens", um dispositivo projetado para retirar orgônio negativo das nuvens.
Reich estava convencido de que os OVNIs eram formas de vida interplanetária que espionavam seu trabalho, e também que os objetos voadores não identificados eram acumuladores do que ele chamava de "orgônio mortal", que provocavam a desertificação do planeta. Ele vivia imaginando o que aconteceria se conseguisse apontar os tubos de seu caça-nuvens para algum OVNI. A resposta veio na noite de 10 de outubro de 1954, quando uma série de OVNIs vermelhos e amarelos (discos benéficos, de acordo com Reich, seriam azuis) convergiu sobre Orgônio. Reich declarou que, ao apontar seu caça-nuvens para as luzes, elas diminuíram de intensidade e pareceram fugir.
Fazendo uma anotação em seu diário a respeito da experiência, testemunhada por vários colaboradores, Reich declarou:
"Esta noite, pela primeira vez na história da humanidade, a guerra desencadeada do espaço exterior contra nosso planeta... foi rechaçada... com resultados positivos".
Alas Reich não viveria para ver a guerra vencida. Ele morreu em novembro de 1957, confinado na cela de uma penitenciária federal por recusar-se a parar de comercializar suas "caixas de orgônio", que, segundo ele, podiam detectar e transmitir a energia sexual (o orgônio) e curar até o câncer.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

sábado, 17 de março de 2018

O Grande Aeróstato de 1897

A conquista dos céus foi iniciada, supostamente, em 17 de dezembro de 1903, quando dois inventores norte-americanos, os irmãos Orville e Wilbur Wright, realizaram o primeiro vôo autopropelido, com uma aeronave mais pesada que o ar, cobrindo alguns poucos metros (37-260m) sobre as dunas de areia em Kitty Hawk, Carolina do Norte. Sete anos antes daquele breve, porém monumental vôo, em novembro de 1896, alguma coisa aparentemente construída pelo homem foi vista nos céus de San Francisco.
Em abril do ano seguinte, quando aumentaram os comentários sobre o caso, o Grande Aeróstato de 1897 já fora visto nas costas leste e oeste e em todo o Meio-Oeste dos EUA, desde Chicago até o Texas.
Quase nenhuma comunidade foi poupada. No entanto, o onipresente aeróstato de 1897 jamais chegou a ser satisfatoriamente explicado. Os historiadores da aviação "oficial" recusam-se a aceitá-lo. Porém, as manchetes das primeiras páginas dos jornais da época falara da misteriosa aeronave como se fosse um OVNI dos tempos atuais. Historiadores e sociólogos foram instados a explicar esses relatórios oficiais.
De modo geral, as aparições podem ser classificadas em duas categorias: algumas pessoas descreveram apenas luzes noturnas e feixes de iluminação brilhante; outras falaram de magnífica máquina voadora tripulada por um estranho grupo de indivíduos. A nave quase sempre foi vista pairando sobre os campos, normalmente passando por alguns pequenos reparos, antes de prosseguir em seu caminho.
Houve tanta especulação sobre as origens da aeronave que inventores famosos como o norte-americano Thomas Alva Edison, inventor do fonógrafo e da lâmpada incandescente, convocavam, regularmente, jornalistas para conceder entrevistas coletivas, negando que a invenção fosse deles. Outros inventores, menos honrados, chegavam a reivindicar a invenção do aeróstato, embora jamais pudessem produzir um único modelo que funcionasse. Todavia, no outono de 1897, as aparições da aeronave foram sensivelmente reduzidas e, na virada do século, praticamente ninguém mais a viu.
Não obstante, estudiosos de fenômenos estranhos continuam a investigar sobre o significado do Grande Aeróstato até os dias de hoje. Charles Fort, o maior catalogador norte-americano de fenômenos estranhos, sugeriu que a máquina voadora foi simplesmente uma idéia de tempos que ainda estariam por vir. Outros acreditam que o Grande Aeróstato de 1897, de alguma forma, acelerou os posteriores avanços na tecnologia da aviação.
Os irmãos Wright talvez não tenham sido inovadores inocentes, chegam a sugerir alguns, afirmando que eles teriam sido ferramentas involuntárias de uma necessidade evolucionária inconsciente. Certos estudiosos chegam mesmo a sugerir que esse impulso de progresso é espelhado no predomínio dos relatórios atuais sobre OVNIs.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

quinta-feira, 15 de março de 2018

Encontro na Floresta de Rendlesham

Os pinheiros da floresta de Rendlesham, em Suffolk, Inglaterra, separam a base da Força Aérea inglesa em Bentwaters da base americana em Woodbridge, a 3 quilômetros de distância.
Às primeiras horas da manhã de 27 de dezembro de 1980, de acordo com o subcomandante da base, tenente-coronel Charles I. Halt, os patrulheiros encarregados da segurança de Woodbridge notaram luzes estranhas do lado de fora do portão dos fundos da base.
Imaginando que um avião poderia ter caído na floresta, eles solicitaram permissão para investigar. Três patrulheiros declararam ter visto um estranho objeto brilhante na floresta. Disseram que sua aparência era metálica e seu formato triangular, acrescentando que estava a aproximadamente 2 ou 3 metros além da base, e a 2 metros de altura. O objeto iluminava toda a floresta com uma luz branca.
- O objeto tinha uma luz vermelha que piscava na parte superior, e um grupo de luzes azuis na parte inferior - reportou Halt, posteriormente, acrescentando que ele estava pairando ou apoiado sobre pernas.
Quando os integrantes da força de segurança se aproximaram do objeto, ele manobrou por entre as árvores e desapareceu.
Nesse momento - prosseguiu -, os animais de uma fazenda próxima ficaram agitados. O objeto foi visto outra vez, por breves instantes e aproximadamente uma hora depois, perto do portão.
- No dia seguinte - continuou Halt -, três depressões com profundidade de 4 centímetros e 18 de diâmetro foram encontradas no solo onde o objeto fora avistado. Na noite seguinte, a radiação da área foi medida, registrando-se leituras beta/gama de 0,1 miliroentgen. Esses índices eram mais acentuados nas três depressões. - Algumas horas depois, naquela mesma noite, uma luz vermelha semelhante ao sol foi vista por entre as árvores. Ela se movia e pulsava. Em determinado momento, pareceu soltar partículas brilhantes e então se dividiu em cinco objetos brancos separados. Em seguida, desapareceu. Logo depois, três objetos semelhantes a estrelas foram notados no céu, dois deles ao norte e um ao sul. Os três deviam estar a cerca de 10 graus em relação ao horizonte. Os objetos moviam-se rapidamente, em manobras súbitas e angulares, e exibiam luzes vermelhas, verdes e azuis.
Ao ser interrogado sobre o incidente de Rendlesham Forest, o Ministério da Defesa da Inglaterra negou ter algum conhecimento. Posteriormente, uma cópia da declaração assinada de Halt foi adquirida nos EUA através do Freedom of Information Act. Uma gravação feita por Halt também foi obtida.
As autoridades de ambos os governos negaram-se a fazer comentários sobre o caso, exceto para afirmar que "seus sistemas de segurança jamais correram perigo". Os céticos chegaram a dizer que o incidente foi causado pela luz giratória de um farol localizado nas proximidades!

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

terça-feira, 13 de março de 2018

O Navio Fantasma

Os navios, algumas vezes, fazem coisas estranhas, mesmo quando não há ninguém na cabine de comando. Em 1884, na viagem de volta para Rouen, depois de ter zarpado da Espanha, o navio francês Frigorifique colidiu, no meio de um denso nevoeiro, com outro navio, o Rumney, de bandeira inglesa. Quando a lateral do casco do Frigorifique se rompeu, o comandante francês deu a ordem de abandonar o navio. Felizmente, tripulantes e passageiros foram resgatados pelo Rumney, cujo comandante ordenou uma manobra para afastar seu navio do naufragado Frigorifique.
Os náufragos franceses e seus salvadores estavam comemorando seu sucesso, quando o vigia gritou outra vez. Saindo momentaneamente do nevoeiro, surgiu o fantasma do Frigorifique, que, com a mesma rapidez, desapareceu de vista. Os tripulantes dos dois navios suspiraram aliviados.
Mas o Frigorifique apareceu mais uma vez. Dessa vez, ele foi de encontro ao Rumney, forçando os tripulantes das duas embarcações a baixar os botes salva-vidas. Ao se afastarem do navio avariado, eles ainda puderam ver o fatídico Frigorifique através da espessa neblina. Sua hélice ainda girava, e por uma de suas chaminés saía grossa fumaça preta.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

domingo, 11 de março de 2018

O Jardim de Nicolai

A França é o único país do mundo que mantém uma agência para o estudo de OVNIs patrocinada pelo governo. O GEPAN, Grupo de Pesquisa de Fenômenos Aéreos Não Identificados, é um departamento separado dentro da agência espacial francesa. Todos os relatórios sobre OVNIs originados em território francês vão diretamente para o GEPAN, que então determina os méritos do caso.
Devido à natureza transitória do fenômeno dos OVNIs, o GEPAN chegou a poucos resultados extraordinários ou mesmo conclusivos. Mas um caso francês merece menção especial. No dia 8 de janeiro de 1981, por volta das 17 horas, um certo sr. Renato Nicolai, 55 anos de idade, trabalhava em seu jardim em Trans en Provence, quando ouviu um ruído sibilante.
- Virei-me - disse ele - e vi uma espaçonave descendo em direção ao solo. A nave tinha a forma de dois pires de cabeça para baixo, um contra o outro, estava a apenas 1,5 metro de altura, e tinha a cor acinzentada.
De acordo com Nicolai, a espaçonave permaneceu no solo por cerca de um minuto.
- Então - prosseguiu -, ela decolou rapidamente na direção da floresta, o que equivale a dizer que rumou para nordeste.
Investigadores do GEPAN recolheram amostras do solo e de plantas do local do pouso, no dia seguinte, e realizaram a mesma operação três dias mais tarde. A agência também recolheu amostras 39 dias após o incidente e, uma vez mais, dois anos depois.
De acordo com o GEPAN, foram encontrados traços físicos de um pouso. O solo, segundo a agência, apresentava pequenas quantidades de fosfato e zinco, e parecia ter sido aquecido a uma temperatura entre trezentos e seiscentos graus centígrados. Mas talvez a descoberta mais importante tenha sido um decréscimo subseqüente de 30 a 50 por cento na quantidade de clorofila e pigmentos carotenóides produzidos por plantas nas proximidades do ponto onde a nave pousou.
Além disso, o GEPAN declarou:
"Houve uma significativa correlação entre os distúrbios observados e a distância desde o centro do fenômeno".
O trauma, segundo o GEPAN, poderia ter sido induzido por um campo eletromagnético.
Embora hesitante em concluir que uma espaçonave extraterrestre tenha realmente pousado no jardim de Nicolai, o cientista francês Alain Esterle, ex-chefe do GEPAN, afirmou:
- Pela primeira vez, encontramos uma combinação de fatores que sugerem que alguma coisa, similar ao que testemunhas oculares já descreveram, realmente ocorreu.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

sexta-feira, 9 de março de 2018

Os Estranhos Tektites

Nenhum cientista conseguiu explicar satisfatoriamente a existência dos tektites, estranhos glóbulos de rochas radioativas, semelhantes ao vidro, encontrados, entre outros lugares, no Líbano. De acordo com uma teoria defendida pelo dr. Ralph Stair, do U.S. National Bureau of Standards, os tektites podem ter vindo de um planeta destruído, cujos fragmentos atualmente orbitam entre Marte e Júpiter, como um cinturão de asteróides.
Outra teoria ainda mais surpreendente foi formulada por um matemático soviético conhecido como professor Agrest. Ele pondera que a composição dos tektites exige alta temperatura e radiação nuclear, levando em conta que nenhum dispositivo nuclear fora recentemente explodido no Líbano. Mas o que dizer dos tempos bíblicos? Existe, afinal de contas, este curioso relato da destruição de Sodoma e Gomorra, registrado no Antigo Testamento, Gênesis, Capítulo 19, versículos 23, 24, 25, 26:
Quando o sol se erguia sobre a terra, e Ló entrou em Segor, Iahweh fez chover, sobre Sodoma e Gomorra, enxofre e fogo vindos de Iahweh, e destruiu essas cidades e toda a planície, com todos os habitantes da cidade e a vegetação do solo. Ora, a mulher de Ló olhou para trás e converteu-se numa estátua de sal.
- A chuva de enxofre e fogo faz com que desconfiemos da ocorrência de uma nuvem em forma de cogumelo, resultante de uma explosão atômica - diz Agrest.
Mas quem, nos tempos bíblicos, poderia ter possuído armas atômicas? Para Agrest, só existe uma conclusão:
- Armas capazes de provocar tamanha destruição somente poderiam ter vindo do céu. Talvez tenhamos sido visitados por seres extraterrestres em um passado remoto - sugere ele -, embora jamais possamos saber, com certeza, enquanto os segredos da estrutura dos tektites não tiverem sido revelados.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

quarta-feira, 7 de março de 2018

O Navio Maldito

Ainda no estaleiro, em fase final de construção, o cruzador nazista Scharnhorst emitiu um estranho grunhido e caiu de lado, esmagando mortalmente sessenta homens e causando sérios ferimentos em outros 110.
Na noite anterior ao dia de seu lançamento, o Schamhorst soltou-se de suas amarras e destruiu duas imensas barcaças, seguindo, sem tripulantes, do estaleiro para a água. Então, em uma de suas primeiras participações na guerra, uma torre blindada e rotatória explodiu, matando doze homens.
Já perto do fim da guerra, o pesado cruzador recebeu a incumbência de destruir comboios britânicos na área próxima à região setentrional da Noruega. Um comandante inglês, percebendo a presença de um navio nazista por perto, ordenou que seus artilheiros disparassem alguns tiros a esmo. O Scharnhorst foi atingido por um dos disparos e acabou destruído. O navio alemão emborcou e foi parar no fundo do mar, a 110 quilômetros da costa norueguesa.
Muitos de seus tripulantes morreram imediatamente, mas alguns poucos sobreviventes foram resgatados pelos ingleses. Dois outros conseguiram chegar a uma pequena ilha em um bote salva-vidas. Seus corpos só foram encontrados quatro anos depois, quando a guerra não passava de uma cruel lembrança. Aparentemente, o fogareiro a óleo deles explodira, matando-os instantaneamente. A maldição do sinistro Scharnhorst os alcançara até mesmo na ilha.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

segunda-feira, 5 de março de 2018

Baalbek, Cidade de Gigantes?

Nas planícies do Jordão, perto do mar Morto, onde ficavam as cidades de Sodoma e Gomorra, podemos ver as magníficas ruínas da cidade de Baalbek, antiga Heliópolis, cujo nome deriva de Baal, deus da fertilidade adorado pelos antigos fenícios. O indício mais proeminente do passado de Baalbek é uma gigantesca acrópole de pedras, inigualada na antigüidade pelos pesados blocos usados em sua construção.
Os blocos de Baalbek são inigualados até hoje, o que faz com que algumas pessoas especulem que eles podem ter servido como plataforma para pouso de espaçonaves extraterrestres. O que mais blocos de pedra com 20 metros de comprimento, 4 de altura, 3 de espessura, e pesando até uma tonelada poderiam suportar? Os gigantescos monolitos de Baalbek foram cortados manualmente, laboriosamente transportados por 800 metros, e então elevados a uma altura de 6 metros do solo para proporcionar uma base virtualmente irremovível para quê?
Podemos talvez encontrar uma pista no relato bíblico dos antigos habitantes de Baalbek, em Números, Antigo Testamento, capítulo 13-14, versículos 31, 32, 33. Enquanto caminhava pelo deserto, Moisés enviou seus homens a Canaã para determinar quais seriam as chances de uma invasão.
(...) Os homens que o haviam acompanhado disseram: "Não podemos marchar contra esse povo, visto que é mais forte do que nós". E puseram-se a difamar diante dos filhos de Israel a terra que haviam explorado: "A terra que fomos explorar é terra que devora os seus habitantes. Todos aqueles que lá vimos são homens de grande estatura. Lá também vimos gigantes (os filhos de Enac, descendência de gigantes). Tínhamos a impressão de sermos gafanhotos diante deles e assim também lhes parecíamos".
Nossa mente corre solta quando começamos a imaginar as possibilidades de antigos gigantes trabalhando com objetivos extraordinários, sobre os quais não temos nenhuma informação precisa. Mas o fato de as monumentais pedras de Baalbek estarem erigidas tão perto das cidades destruídas de Sodoma e Gomorra pode ser mais do que uma simples coincidência.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

sábado, 3 de março de 2018

O Fantasma do Great Eostern

O Great Eastern foi, sem dúvida, um dos maiores navios a singrar os sete mares. Foi, também, uma das embarcações mais amaldiçoadas de que se tem notícias, assombrada desde o início pelo fantasma de um operário que ficou emparedado em seu casco duplo.
Seu criador, Isambard Kingdom Brunel, já era um bem-sucedido empreiteiro construtor de pontes e ferrovias, quando concebeu a idéia de uma cidade flutuante que ligasse Londres ao resto do mundo. Arquitetos navais já haviam projetado e construído transatlânticos de passageiros que deslocavam quase 3 mil toneladas. Mas o Great Eastern de Brunel transformava em barcos insignificantes todos os navios construídos até então.
Na verdade, com um deslocamento calculado de 100 mil toneladas, ele envergonhava qualquer outra embarcação. Dez grandes caldeiras, acionadas por 115 fornalhas, acionavam suas rodas de pás de 17 metros e uma hélice de apoio de 8 metros.
Cinco tremonhas levavam o carvão para suas fornalhas, por ação gravitacional. O Great Eastern tinha sistemas auxiliares em número suficiente para dar apoio a uma pequena marinha, inclusive dez âncoras de 5 toneladas cada uma, seis enormes mastros e velas, e seu próprio gasômetro para iluminação.
No entanto, o navio pareceu ser assombrado desde o início. Para o lançamento do maior navio do mundo, Brunel convidou o exército de operários que o haviam construído. Um dos que não compareceu foi o taciturno trabalhador do estaleiro que trabalhara no casco duplo.
A cerimônia de batismo não saiu exatamente de acordo com os planos, pois o tamanho e o peso do Great Eastem emperraram o mecanismo que deveria fazer o navio deslizar até a água. Ele provavelmente jamais teria sido lançado ao mar, se marés surpreendentemente altas não o tivessem feito flutuar pelo Tâmisa.
Porém, logo após esse pequeno sucesso, a Great Eastern Steam Navigation Company de Brunel foi à falência - e o próprio Brunel morreu. Na verdade, no dia de sua morte, o capitão reclamou a seu engenheiro-chefe, dizendo:
- Meu sono foi rudemente perturbado por marteladas constantes provenientes dos porões.
Após esse fantasmagórico incidente, uma das chaminés do Great Eastern explodiu, matando seis tripulantes e destruindo o grande salão. Embora sua sorte tenha melhorado momentaneamente, na quarta travessia do Atlântico do luxuoso navio de passageiros uma forte tempestade avariou suas rodas de pás. Os ventos foram tão fortes que chegaram a soltar os botes salva-vidas. Novamente, a despeito dos fortes ventos, as misteriosas marteladas ainda podiam ser ouvidas, vindo dos porões.
O Great Eastem conseguiu chegar a um porto, mas como navio de passageiros ele estava acabado. Seus últimos armadores tiveram dificuldades até mesmo para vendê-lo como sucata. Em 1885, quando estava finalmente sendo desmontado, os soldadores fizeram uma aterrorizante descoberta. Ao lado de uma bolsa de viagem de ferramentas enferrujadas havia o esqueleto do operário do estaleiro, alojado entre as paredes de ferro do casco duplo do Great Eastem.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos

quinta-feira, 1 de março de 2018

A Abadia de Glastonbury

Glastonbury, em Somerset, Inglaterra, figura com destaque no folclore e nas antigas tradições do local. Historiadores afirmam que o rei Arthur foi enterrado na Abadia de Glastonbury. A lenda cristã diz que São José de Arimatéia trouxe o Santo Graal a Glastonbury e plantou um espinheiro que ainda pode ser visto no local. Além disso, Glastonbury é, segundo dizem, o lugar onde as pessoas que se dedicam ao campo da "arqueologia mediúnica" fizeram suas descobertas mais surpreendentes.
Em 1907, a Abadia de Glastonbury, um monte de ruínas negligenciadas e cobertas de mato, foi adquirida pelo governo estadual e colocada aos cuidados da fundação Fé Diocesana, que pretendia fazer escavações no local. A fundação entregou os trabalhos à Sociedade Arqueológica Somerset, que escolheu para chefiar as escavações um promissor arquiteto eclesiástico de Bristol, chamado Frederick Bligh Bond.
Os clérigos e as outras pessoas envolvidas no projeto desconheciam que Bond era membro da Sociedade de Pesquisas Psíquicas, assim como seu amigo, o capitão John Bartlett. Os dois concordaram em empregar a habilidade de psicografia de Bartlett, pela qual os espíritos supostamente se comunicavam com o mundo dos vivos por meio da caneta do capitão, para escavar Glastonbury. Às 16h30 de 7 de novembro de 1907, a experiência teve início.
- Você pode nos dizer alguma coisa sobre Glastonbury? - perguntou Bond.
Bartlett respondeu traçando plantas da abadia, inclusive com medidas, e redigindo mensagens em uma mistura de latim vulgar e algumas palavras que pareciam pertencer aos primórdios da língua inglesa, aparentemente ditadas por monges havia muito falecidos. Muitas das coisas que aprendeu foram diametralmente opostas ao conhecimento anterior de Bond, mas mesmo assim ele seguiu em frente.
As descobertas começaram a surgir. Primeiro, uma capela jamais suspeitada na ala leste da abadia, em seguida uma passagem desconhecida, depois um recinto abobadado de planta poligonal e uma cripta. A capacidade de Bligh Bond foi celebrada nos círculos arqueológicos e eclesiásticos - até 1918, quando ele revelou em seu livro The Gate of Remembrance como os espíritos dos monges o haviam levado a suas descobertas. As autoridades, horrorizadas, iniciaram um movimento para destituir Bond de seu cargo, e conseguiram. Em seguida, removeram ou alteraram muitos dos registros arqueológicos que ele deixou no local, e chegaram até mesmo a proibir a venda de seus livros na abadia.
A despeito do registro de impressionantes descobertas mediúnicas de Bligh Bond na abadia, e de seu amor pessoal pelo local, ele foi expulso de Glastonbury por pessoas de mentalidade estreita simplesmente porque empregou técnicas não convencionais para revelar suas maravilhas.

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos