quarta-feira, 21 de março de 2018

Foguetes Fantasmas da Escandinávia

Logo após a Segunda Guerra Mundial, antes que a moderna era da ufologia tivesse sido realmente iniciada, muitas pessoas, desde a Noruega até a Finlândia, foram aterrorizadas por objetos fantásticos, semelhantes a foguetes, no céu.
As primeiras aparições, ocorridas na região setentrional da Finlândia, perto do circulo Ártico, no dia 26 de fevereiro de 1946, foram inicialmente descritas como meteoros ou meteoritos. Entretanto, logo tornou-se evidente que uma atividade de meteoros dificilmente poderia ser responsável por centenas de objetos voadores que surgiam durante o dia, cujos formatos eram comparados a bolas de rúgbi, charutos, projéteis e até mesmo torpedos de prata.
Tais objetos, na verdade, pareciam mais se ajustar ao formato dos foguetes nazistas V-l e V-2, que despejaram morte e destruição em Londres e outros alvos no tempo da guerra. Mas as bases alemãs dos mísseis teleguiados em território europeu foram capturadas, bombardeadas ou destruídas. Além disso, o alcance máximo de seus foguetes era praticamente um quarto do que seria necessário para que atingissem o norte da Finlândia, da Noruega e da Suécia, onde proliferavam os relatórios relativos às aparições de foguetes fantasmas. Mesmo se os soviéticos tivessem capturado um contingente de mísseis balísticos V-2 em condições de uso, como os suecos e outros temiam, por que eles os desperdiçariam sobre países escandinavos, sem nenhum objetivo aparente?
O que sabemos é que os escandinavos levaram muito a sério essa questão dos foguetes fantasmas. Proibições contra a publicação de tais relatórios, para que não ajudassem "a potência que estava fazendo as experiências", surgiram na Suécia, pela primeira vez, em 17 de julho de 1946. Dois dias depois, a mesma proibição aconteceu na Noruega, e a Dinamarca impôs vetos similares no dia 16 de agosto.
O blecaute às notícias na Suécia surgiu na esteira de um único período de 24 horas, durante o qual 250 indivíduos de norte a sul do país declararam ter visto um objeto de prata, com o formato de uma lágrima, cruzando os céus. No dia seguinte, o Departamento de Defesa nomeou uma comissão de especialistas civis e militares para cuidar do caso. No total, mais de mil relatórios foram coletados.
Nesse ínterim, os foguetes fantasmas já haviam atraído a atenção internacional. Em 20 de agosto de 1946, David Sarnoff, vice-presidente da RCA (Rádio Corporation of América) e general reformado, pousou no Aeroporto Bromma, de Estocolmo. Com ele viajaram Douglas Rader, coronel reformado da Força Aérea Real, e James Doolittle, um herói de guerra americano. Em 21 de agosto, os três se encontraram com os figurões da Força Aérea sueca.
O que transpirou nessa reunião permanece envolto em segredo. Doolittle, que participou de diversas operações do Serviço Secreto dos EUA após a guerra, recusou-se a falar em público sobre a missão na Suécia. Parece que Sarnoff apresentou um relatório diretamente ao presidente Truman, quando de seu retorno aos EUA. Ele também declarou a um grupo de especialistas em eletrônica que considerava os foguetes fantasmas reais e não imaginários.
A história sempre tendeu a ignorar o significado dos misteriosos mísseis escandinavos porque eles nunca receberam uma divulgação tão grande por parte da imprensa quanto os discos voadores, que vieram logo a seguir. No entanto, perduram muitas dúvidas curiosas. Teriam sido os foguetes parte de um fenômeno fantástico que, de algum modo, assume formatos diferentes como uma reação às ansiedades e preocupações de uma cultura em particular? Ou será que os soviéticos, ou alguma outra potência, sem que o resto do mundo tomasse conhecimento, teriam aumentado o alcance e o desempenho das mais avançadas armas da Alemanha nazista? E, se esse for o caso, poderiam os mesmos criadores de fantasmas ser os responsáveis pelos OVNIs de hoje?

Charles Berlitz
O livro dos Fenómenos Estranhos
Enviar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos