quinta-feira, 30 de maio de 2013

Casas fantasma


Ruídos inexplicáveis, luzes que se acendem e apagam sozinhas, baixa de temperaturas repentinas, os objectos movem-se sozinhos, sombras que me movem pela casa, vozes ou lamurias que não sabemos de onde vêm… Os casos são bastante numerosos, desde da mais remota antiguidade. Na actualidade chama-se ao fenómeno da casa assombrada de poltergeist. Termo alemão que significa “Espirito ruidoso ou duende burlão”. Quando utilizamos esse vocábulo estamos descrevendo um grupo de efeitos estranhos como os que foram citados anteriormente.

Agora, temos que ver qual é a diferença entre uma “casa assombrada” e um “poltergeist”. A diferença principal é que os poltergeists parecem estar ligados a um agente ou “foco” determinado, enquanto os fenómenos ocorridos numa “casa fantasma” acontecem independentemente das pessoas que a habitam. Encontramos então, mais duas diferenças: os poltergeist não costumam durar mais que um ano e normalmente ocorrem de dia, enquanto que nas “casas assombradas” os fenómenos costumam durar anos e são principalmente de noite. Nesta última também pode chegar a aparecer fantasmas.

As casas fantasma sempre existiram, mas vamos mostrar-vos 2 casos para comprovar as suas acções: Uma coisa estranha que aconteceu lá para os lados de Epwort no século XVIII, foi a queda de cristais acompanhados com uma grande ventania e ouvia-se vozes agonizantes. Os móveis moviam-se sozinhos. Também destacar o casa da abadia inglesa de Borley, já no século XX.



Considera-se o lugar mais assombrado de Inglaterra, é muito conhecido pela sua música terrorífica que se ouve entre as suas paredes e pelo monge que caminha pelo átrio. Descobriram-se passagens secretas e restos humanos, mas infelizmente em 1939 a abadia ardeu com os seus enigmas ocultos para o resto dos tempos.

Em Espanha também há uma casa fantasma muito famosa. Apesar de não ser exactamente uma casa, é o quarto 510 do mítico hotel Corona de Aragón. Diz-se que este quarto está assombrado. Muitas pessoas não foram capazes de passar lá a noite, dizendo que ouvem vozes e gemidos aterrorizantes. Estes acontecimentos podem ter uma explicação: em 1981 faleceram 79 pessoas por consequência de um incêndio. Parece que essas almas continuam a morar nesse quarto, tentando abrir as janelas que naquele dia trágico estavam fechadas pelo fogo abrasador, convertendo aquele e outros quartos em crematórios vivos.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Barcos fantasma


Toda gente conhece histórias de barcos fantasma que andam pelos mares do mundo. Mas o mais conhecido deles todos é a do Holandês Errante. A sua lenda era tão conhecida que Wagner até criou uma ópera com ela, “O Navio Fantasma”. O Holandês Errante foi o arquétipo do navio fantasma.

O navio fantasma foi visto por muitos marinheiros. Entre muitas testemunhas encontra-se uma excepção: O duque de York, futuro rei Jorge V de Inglaterra. O jovem duque de dezasseis anos era aprendiz a bordo do “La Bacchante”. Na noite de 11 de Julho de 1881, enquanto o navio estava perto da Austrália, algo apareceu na escuridão. Uma luz próxima de parte alguma estava perto deles. Quando se encontrava em apenas 300 metros, foi possível ver do que se tratava: era um barco com uma aura de vapor a cobri-lo.

O diário de serviço do “La Bacchante” indica que este encontro foi testemunhado por muita gente. “Às quatro da manha, um barco passou pela nossa frente, a uma distância de trezentos metros, e se dirigia a nós. Uma estranha luz vermelha cobria o mastro, a ponte e as velas. Um estudante oficial foi enviado à vigia. Mas ele não viu nenhum rasto, nenhum vestígio de algum navio real. A noite era clara e o mar estava calmo. Os barbos “Tourmaline” e “Cleopatra” que navegavam a estibordo, à nossa frente, perguntaram se vimos a estranha luz vermelha”.



Outros casos de barcos fantasma
Em 11 de Julho de 1861, o “Inconstant”, barco da Royal Navy, navegava no Pacifico quando na madrugada um barco estranho cruzou-se no seu caminho. Coberto por uma luz florescente, tratava-se de um veleiro com dois mastros. O oficial de quartos, presente, foi o primeiro que reparei quando estavam a uma distancia de duzentos metros a bombordo. Um jovem aprendiz também o viu. O jovem correu para o ver melhor, mas o barco fantasma e a sua luz espectral desapareceram subitamente deixando o mar tão calmo quanto antes.

Em 1887, um barco que saía de São Francisco com destino a China, cruzou-se durante o seu caminho por um barco fantasma. Os homens da tripulação contaram que viram um antigo barco coberto por uma estranha luz branca. O barco que aproximava-se perigosamente, mas logo desapareceu subitamente. Outra curiosidade deste barco fantasma é que, como reconheceram os tripulantes, apesar de haver um vento muito forte, o barco tinha todas as velas fora.

Em Julho de 1934, a bordo do iate Mary Ann, o capitão Hampson navegava em mar aberto, quando entrou numa zona com nevoeiro muito espesso. De repente, um velho veleiro surgiu a estibordo á frente do iate. Hampson pôs a vela rapidamente para a esquerda, mas foi demasiado tarde. O Mary Ann bateu contra o veleiro. Mas estranhamente não houve nenhum estrondo de madeira partida. A única coisa que aconteceu é que o iate moveu-se e o outro barco, o antigo veleiro, ficou agarrado a ele. O capitão examinou o veleiro a partir do seu iate. Não havia nenhum ser humano na ponte. As velas estavam rasgadas e desapertadas. E apesar de haver brisa, o silêncio era absoluto. Nenhum ruído sequer… apenas um silêncio terrorífico! O barco desapareceu antes de Hampson ter visto o seu nome.

domingo, 19 de maio de 2013

Ovnis e extraterrestres - Imagens Consideradas Reais

Criatura estranha encontrada num bosque em França

Alien captado em imagens da TV Argentina ...



Vídeo de um corpo sem vida de um extraterrestre

Alien filmado por um militar na Argentina

Extraterrestre filmado numa fazenda no Brasil

Alien filmado na Rússia

Um vídeo colocado agora no site 'YouTube' mostra uma criatura alienígena, filmada em Irkutsk, na Rússia, poucos meses depois de um OVNI ter sido avistado na zona.
Os moradores estão assustados, mas alguns acreditam que não passa apenas de restos mortais de um animal.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Se sabe o que diria a um extraterrestre, partilhe-o com o resto da humanidade


Há quase meio século que se usam radiotelescópios para tentar ouvir mensagens de uma outra civilização inteligente algures no Universo. Mas, se descobrirmos outra inteligência, o que teríamos para lhes dizer? Se tem alguma sugestão, vai poder dá-la, a partir de 15 de Maio, no site http://messages.seti.org.

Na verdade, os cientistas nunca conseguiram chegar a acordo sobre o que dizer a extraterrestres inteligentes, se alguma vez os descobrimos. O projecto EarthSpeaks, do Instituto SETI (sigla em inglês de Procura de Vida Inteligente Extraterrestre) pretende dar uma ajuda, recolhendo sugestões de todo e qualquer terráqueo com acesso à Internet.

“Podem ser submetidas mensagens de texto, imagens e sons, vindas de pessoas de qualquer ponto do globo e com qualquer formação, desde que tenham vontade de contribuir para uma discussão sobre o que teria a humanidade a dizer a seres inteligentes de outros planetas”, explicou Thomas Pierson, director do Instituto SETI, citado num comunicado de imprensa desta instituição com sede na Califórnia.

Quando entregar uma sugestão, estas serão organizadas por “tags”, para ajudar os investigadores a categorizar as mensagens. “Estudando esses tags [que descrevem o tema geral da mensagem], podemos perceber quais os temas mais presentes nos milhares de mensagens” esperadas, explicou Douglas Vakoch, director da Escrita de Mensagens Interestelares no Instituto SETI, que coordena o projecto. Assim, recolhe-se informação para criar possíveis mensagens “que retratem a amplitude e profundidade da experiência de ser humano”.

Mas o Instituto SETI não planeia começar a enviar estas ou outras mensagens para o espaço, pelo menos por agora. “A questão de saber se devemos começar a enviar mensagens intencionais para outras civilizações é demasiado importante para ser resolvida à pressa”, comentou Pierson. 

As mentes mais conspirativas podem recear até invasões, se começarmos a transmitir demasiada informação sobre nós e o nosso planeta para o espaço. Seria algo diferente das emissões de rádio e televisão que estamos a enviar desde que estas tecnologias foram inventadas na Terra – no romance “Contacto”, do astrofísico Carl Sagan (que resultou num filme com o mesmo nome, protagonizado por Jodie Foster), a transmissão da abertura dos Jogos Olímpicos de Berlim, presidida por Adolf Hitler, era a primeira mensagem humana captada por uma civilização extraterrestre. 

“Através deste projecto, o Instituto SETI quer incentivar o debate sobre este assunto”, explicou Pierson. “As primeiras impressões têm mesmo importância. As mensagens iniciais da humanidade para uma civilização extraterrestre marcariam o tom das nossas relações durante centenas ou milhares de anos”, comentou Vakoch.


À espera que um ET nos telefone

A fórmula consagrada nos desenhos animados e nos filmes de ficção científica de série B norte-americanos é "Take us to your leader!" É isto que dizem os extraterrestres quando a sua nave espacial chega à Terra (a Washington ou Nova Iorque, onde havia de ser?). E os terrestres, estupefactos e aterrados, tratam de levar o ET ao mayor, à ONU ou a outro sítio qualquer.

Há 50 anos que o SETI começou a procurar ETI. Têm sido 50 anos de silêncio (Reuters)

Por estranho que possa parecer, saber exactamente que diálogo deve ser encetado com os ET é matéria de estudo científico. A prova disso é que a revista Philosophical Transactions A da conceituada Royal Society britânica acaba de publicar uma edição inteiramente dedicada à "detecção de vida extraterrestre e as suas consequências para a ciência e a sociedade".

No site daquela sociedade científica (rsta.royalsocietypublishing.org/content/369/1936.toc etoc), é possível ter acesso às conferências proferidas por uma constelação de especialistas de "astrobiologia" - vulgo, vida extraterrestre -, num encontro que decorreu em Londres há um ano. Nesse encontro, vários participantes apelaram a uma colaboração das Nações Unidas na definição dos protocolos a adoptar em caso de eventual contacto com uma espécie alienígena inteligente.

Dois meses depois daquele encontro, o célebre físico britânico Stephen Hawking (que não era um dos oradores) lançava, por seu lado, um surpreendente alerta num documentário realizado para o canal de televisão Discovery. Hawking, que acha muito razoável pensar que existe vida inteligente lá fora, dizia que, se algum extraterrestre inteligente quisesse comunicar connosco, o melhor seria ficarmos calados e não respondermos. Porque, se fossem alertadas para a nossa presença, forças alienígenas à procura de mundos habitáveis ou com recursos exploráveis poderiam desembarcar na Terra - com consequências tão nefastas para nós como foi para os índios a chegada à América dos conquistadores espanhóis em finais do século XV.

Mas será que as coisas são assim tão dramáticas? De facto, quando lemos os textos que foram agora postos online, este cenário de contacto físico fica relegado para um plano secundário, como algo de muito improvável - e talvez até impossível.

Uma coisa é certa, contudo: a existência de vida extraterrestre (não necessariamente inteligente) ganhou adeptos na comunidade científica na última década, em especial com a descoberta de planetas extra-solares - e, mais recentemente, com a constatação de que planetas rochosos parecidos com o nosso, em órbita em redor de estrelas parecidas com o nosso Sol, não são a excepção e, pelo contrário, serão mesmo bastante vulgares. A questão já não parece ser a de saber se estamos sozinhos ou não. É apenas uma questão de tempo, dizem muitos especialistas, até encontrarmos vida num desses planetas.


Há uns 50 anos, Frank Drake, fundador do SETI, calculou graças a uma fórmula matemática que leva o seu nome que deveriam existir umas 10 mil civilizações inteligentes no Universo. O SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) é o famoso projecto de procura de vida extraterrestre inteligente, que chegou a ser um programa da agência espacial norte-americana NASA nos anos 1990, mas que é hoje gerido pelo SETI Institute, uma entidade privada com sede na Califórnia.

O número obtido por Drake poderá ser exagerado (de facto, ninguém sabe calculá-lo ao certo). Mesmo assim, como o Universo contém, segundo as estimativas, centenas de milhares de milhões de galáxias (e a nossa Via Láctea, por exemplo, até 400 mil milhões de estrelas), não há razão para o nosso sistema solar e o nosso planeta serem únicos.

Mas, para além dos argumentos puramente numéricos em favor da existência de outros cantinhos habitáveis, porque é que deveria necessariamente haver vida nos planetas parecidos com a Terra que sem dúvida orbitam em torno de algumas estrelas? E se, mesmo nesses, nada tivesse acontecido?

Extraterrestres


Existem muitos seres que visitam a Terra vindos do espaço exterior. A distância é tal que as suas diferenças não são apenas físicas, também dimensionais, e as suas intenções são também muito diversas. Alguns deles vieram para observar, outros para investigar, ajudar… E há também outros com intenções más e não muito claras. O mais importante é poder conviver com eles, pois cada vez é mais evidente a sua presença entre os humanos do planeta Terra.

Há muitas teorias em relação ao lugar de onde eles vêem, mas não há nenhuma prova absoluta que demonstre nenhuma teoria. Algumas delas especulam sobre a opção de que os extraterrestres vieram de outros planetas, mas outras dizem que vieram de outras dimensões. Existe outra crença que diz que os ocupantes de OVNIS vieram do futuro.

Mas a teoria mais intrigante a propósito da origem dos extraterrestres provem do testemunho de Betty e Barney Hill, que foram raptados em 1961. Neste rapto, os extraterrestres ensinaram Betty Hill uma carta de constelação em 3 dimensões. Ela desenhou essa carta em sonhos, quer dizer, por uma hipnose. Anos depois, uma técnica em astrologia de Ohio, Marjorie Fish, comparou essa carta com varias maquetas de constelações da nossa galáxia. Ela encontrou uma correspondência entre elas e concluiu que as principais estrelas que estavam representadas nelas eram as estrelas gémeas Zeta Reticuli I e II.



A teoria de Marjorie Fish é que essas duas estrelas são idênticas ao Sol e podiam perfeitamente ter planetas do tipo da Terra orbitando ao redor delas. E esses planetas também podiam ter vida inteligente.

Como vemos as teorias sobre a origem dos extraterrestres são muito numerosas. De igual número são as especulações sobre o aspecto real deles. Estas teorias foram criadas com bases das testemunhas das pessoas que tiveram contacto com eles, tenha sido por raptos ou visões.

Mensagem Alienígena é Finalmente Decifrada?

Em 2004, um estranho sinal foi captado pela sonda Cassini da NASA, quando ela se aproximava do planeta Saturno.

O Professor Donald Gurnett trabalhou com sua equipe da Universidade de Iowa, nos EUA, para tornar o sinal possível de ser escutado pelo ouvido humano.

Em 2007, o perito de audio Jost vanDyke mudou o tom da gravação original e descobriu o sinal secreto, que parecia imitar a voz humana, mas que até então ninguém tinha sido capaz de decifrar. Para o espanto de todos, como pode ser escutado no vídeo colocado abaixo, a mensagem oculta dizia, em inglês: “you people are urged to drop the earthly impulse“, ou em português (tradução livre – n3m3), “recomendamos que vocês abandonem seu impulso terrestre”.

Seria este realmente um aviso para nós terráqueos?

Residi nos EUA por 17 anos, e tive tempo suficiente para aprender a língua inglesa, ao ponto de, modéstia à parte, adquirir fluência plena. Assim, tomei o cuidado de escutar a mensagem do vídeo várias vezes, chegando à conclusão de que, se a mensagem for legítima, ela realmente diz o que se alega.

Então me perguntei: se esta realmente tenha sido uma mensagem para a raça humana, por que seria ela em inglês? Suponho que como a sonda era de um país de fala inglesa, nada mais natural do que passar uma mensagem em inglês para o dono da sonda.

Quanto ao especialista em som Jost vanDyke, fala-se que ele é um engenheiro de som altamente respeitado e seu trabalho é exemplar. Ele teve a visão de reconhecer que havia algo na transmissão, e levantando o tom por 12 pontos, conseguiu decifrar a “impressão de voz”. Ele declara que não houve nenhum outro ajuste ou manipulação do áudio. Aparentemente qualquer pessoa pode reproduzir a mensagem, usando a mensagem original da Universidade de Iowa e ajustando o som, usando qualquer software gratuito de manipulação sonora, como por exemplo o Audacity.

Decida por você mesmo, assistindo ao vídeo e escutando a mensagem:

Rocha estranha em foto da superfície de Marte




Um internauta descobriu uma rocha anômala enquanto investigava algumas fotos que a NASA obteve em Marte. Veja o que ele escreveu:

“Eu estava olhando esta foto da superfície de Marte na Cratera de Bonniville e encontrei este objeto em forma de pirâmide.

Parece razoável afirmar que este objeto, devido aos seus ângulos, foi feito pro alguma inteligência...”

Lord Martin Rees: A vida extraterrestre avançada pode estar além da compreensão humana


Nosso sistema solar de 4,5 bilhões de anos existe em um universo o qual se estima ter entre 13,5 e 14 bilhões de anos. Os estudiosos acreditam que devem existir civilizações avançadas lá fora, que devam ter existido por 1,8 bilhões de anos.


O Lord Martin Rees, um importante cosmólogo e astrofísico, presidente da Sociedade Real Britânica e astrônomo para a Rainha da Inglaterra, disse acreditar que a existência da vida extraterrestre pode estar além da compreensão humana.

“Eles poderiam estar olhando diretamente na nossa cara e nós simplesmente não os reconheceríamos. O problema é que estamos procurando por algo muito similar a nós, presumindo que eles teriam pelo menos algo como a mesma matemática e tecnologia… …Eu suspeito que poderia haver vida extraterrestre lá fora em formas que não poderíamos conceber. Bem como um chimpanzé não poderia compreender a teoria quântica, isso poderia estar lá como aspectos de realidade que estão além da capacidade de nossos cérebros“.

O Lord Rees fez este comentário em janeiro de 2010, durante a primeira conferência da Sociedade Real sobre a possibilidade de vida extraterrestre.

Certamente, com tantos mistérios ainda para serem desvendados em nosso universo, não é de se duvidar que o Lord Rees esteja certo, pelo menos no que diz respeito a algumas raças de extraterrestres.

Filho de Carl Sagan diz que Hollywood está completamente errada quanto aos ETs


Nick Sagan é o filho de um dos mais conceituados cientistas de nossa época, Carl Sagan. Nick também escreveu três livros aclamados, bem como episódios de Jornada nas Estrelas. Mas isto não o tem impedido de se manifestar contra certos preconceitos que têm sido perpetuados nos filmes de ficção científica.

“Humanos terem qualquer chance contra invasores alienígenas armados com tecnologia superior?“, diz Sagan, “Boa sorte. Se eles forem avançados o suficiente para cruzarem as enormes distâncias do espaço interestelar, eles são avançados o suficiente para nos varrer sem o menor pingo de suor. Por que não atirar alguns asteróides contra nós? Como iremos nos defender disso? O conceito de impetuosos humanos mais fracos triunfarem no final pode fazer sucesso nas bilheterias, mas na realidade isso seria impossível“.

E caso você tenha a esperança de que Sagan apoiaria a probabilidade de derrotarmos os ETs invasores através de alguma qualidade do ambiente da Terra, ele irá lhe contrariar também.

“Fala sério, nós os derrotarmos com um vírus de computador? Nossos micróbios são a criptonita deles? E, de qualquer forma, por que eles iriam nos atacar? Não há escassez de outros planetas que eles queiram, e se eles realmente não gostassem de nós, por que não simplesmente ficarem sentados e assistir nossa auto-destruição? Certamente somos capazes disso“, disse ele.

Mas Sagan sente alguma afeição pelos encontros alienígenas no cinema. Ele realça dois filmes que pensa estarem próximos ao que a experiência com os ETs realmente seria.

“Permita-me não surpreender ninguém por elogiar o filme Contact [escrito pelo seu pai, Carl Sagan], como o melhor exemplo de como isto poderia acontecer. Ouvi muitos astrônomos dizerem que este é o filme mais próximo da realidade como a comunidade científica poderia reagir, e da mesma forma, as cenas onde os membros do governo expressam suas preocupações, para mim são plausíveis. Isto posto, fora um primeiro contato real com alienígenas, ninguém realmente sabe como reagiremos quando isso acontecer. Nós temos idéias, estratégias em potencial, protocolos do SETI. Quando recebermos o sinal, tudo que se pensava pode estar errado. Além do filme Contact, eu acho que há algo convincente a respeito de District 9. Apesar de aberrante em algumas formas, (como muitas alegorias de ficção científica são), a idéia que poderíamos segregar e subjugar o ‘outro’ parece verdadeira à experiência humana, especialmente se aquele ‘outro’ for menos poderoso do que nós. Isso atinge o coração do porquê há tantos alienígenas assustadores na ficção científica – apesar de não sabermos quase nada sobre como as formas reais de vida extraterrestre (se elas existirem) reagiriam. Nós sabemos o quão miseravelmente podemos tratar as formas de vida aqui na nossa própria Terra“.

Assim, se aquele grande dia finalmente chegasse, e realmente estabelecessemos o primeiro contato com uma raça alienígena, o que Sagam esperaria? Como é que ele acha que enfrentaríamos a situação? Bem, há muitas interrogações em qualquer cenário, mas Sagan disse que ele espera por um mínimo de união.

“Ainda, espero que se, e quando, o cenário do primeiro contato realmente acontecer, conseguiremos nos unir como humanos, e caminharmos bravamente para dentro daquilo que o futuro nos reserva,” disse ele.

Seria esta a prova derradeira de uma base lunar alienígena?

Apertem os cintos para mais um fato controverso que acaba de atingir a Internet.

No vídeo abaixo mostra um membro da NASA com uma foto embaixo de seu braço, a qual teria edificações estranhas na superfície da Lua.

Bem, pelo menos isto é que alega a pessoa que postou o vídeo no YouTube, StephenHannardADGUK.

Veja o que ele escreveu abaixo de seu vídeo:

“A NASA acidentalmente confirma aquilo que já sabíamos há muito tempo, de que realmente há estruturas na Lua. Nesta foto tirada pela NASA Ames Research Center, podemos claramente ver duas possíveis estruturas; uma sendo um prédio de forma quadrada e a outra, à direita do prédio, parecendo com uma estrutura triangular, ou talvez uma ponte. De qualquer forma ela está ‘arcada’.

Seria esta a prova absoluta de que a NASA está mentindo para o mundo? As pessoas na foto são Anthony Colaprete (http://www.nasa.gov/centers/ames/research/2007/colaprete.html) e Karen Gundy-Burlet (http://women.nasa.gov/karen-gundy-burlet/)”,

Assista o vídeo postado.

Os extraterrestres existem? A Casa Branca diz que não sabe

A Casa Branca deu uma resposta oficial a duas petições que solicitavam que o Governo reconhecesse “formalmente a presença extraterrestre na Terra convivendo com a raça humana”. Não sabe.

As petições solicitavam solicitavam ainda a divulgação “imediata de todos os dados na posse das autoridades e das comunicações com seres extraterrestres”.

A resposta, invulgar, surgiu em forma de comunicado assinado por Phil Larson e pelo departamento a que pertence na Casa Branca, o da política espacial, ciência e tecnologia.

“O Governo não tem provas da existência de qualquer forma de vida fora do planeta, ou de uma presença extraterrestre ter contactado ou se ter relacionado com a raça humana”, diz o texto, que continua explicando que quer o célebre E.T. seja “um homenzinho verde ou uma bactéria, não há informação credível que sugira que qualquer tipo de prova está a ser escondida da opinião pública”.

A Casa Branca frisava que, apesar de este ser o estado da situação, isso não significa que não se esteja à procura da vida para lá da Terra, havendo investigação a decorrer, quer a nível privado (Instituto SETI, por exemplo) quer federal (o trabalho da NASA, através do se telescópio espacial ou da programada missão tripulada a Marte onde, explica Larson, entre outros objectivos se irá detercar se há ou houve condições para existir vida.)

"Muitos cientistas e matemáticos chegaram... à conclusão de que as possibilidades [de existir vida no universo além da humana] são elevadas, que algures entre triliões e triliões de estrelas exista um planeta além do nosso onde exista vida". Porém, continua a resposta às petições que, em conjunto, conseguiram 17 mil assinaturas, "muitos também sublinharam que as hipóteses de contactarmos com essa vida - especialmente uma que seja inteligente - são extremamente pequenas, devido á distância envolvida".

Larson dizia ainda que todas as suas palavras não passam de cenários pois, na verdade, a Casa Branca (e foi em nome dela que respondeu) não sabe se eles existem ou não.

As petições foram feitas no âmbito do programa da Casa Branca “We the People”, que permite aos cidadãos fazer pedidos ao Governo federal e exigir resposta para os que conseguirem mais assinaturas.

Uma das petições tinha a chancela do Paradigm Research Group, que defende que centenas de agências governamentais e militares testemunharam a existência de presença extraterrestre na Terra e diz ainda que de acordo com sondagens realizadas são muitos os americanos que acreditam que o Governo não fala a verdade quando fala de extraterrestres.

Teria um dedo gigante sido descoberto no Egito?



O fotógrafo Gregory Spörri (56) é um empresário bem conhecido da Basiléia, na Suíça. Seu portfólio inclui o “Mad Max”, um cult-shop que celebra as estrelas do FC Basiléia, bem como David Beckham e Stephanie de Mônaco. Sua segunda paixão mudou sua vida: o Egito!

No último dia de sua investigação particular em 1988, lhe foi dada uma dica para contatar um velho “ladrão de tumbas”. O encontro ocorreu a 100 quilômetros ao nordeste de Cairo, em uma casa de fazenda em Bir Hooker. Por $300 (provavelmente US$) Spörri poderia dar uma olhada no ‘tesouro de família’ do ladrão de tumbas, que não havia sido vendido.

Embrulhado em velhos trapos estava o objeto. “Era um embrulho alongada e cheirava mofo. Eu fiquei totalmente pasmo quando vi a relíquia marrom escura; pude pegá-la na minha mão e tirar fotos, com uma cédula ao seu lado para comparar o tamanho“, disse Spörri. O dedo estava quebrado e coberto por bolor seco. “Era surpreendentemente leve, talvez algumas gramas. Meu coração estava no meu pescoço. Aquilo era incrível. Em proporção, o corpo daquele dedo deveria ter uns 5 metros de altura…“

O ladrão de tumbas teria também mostrado ao suíço um certificado de autenticidade e uma imagem de raio-X. Ambos da década de 60. “O ladrão de tumbas jurou em nome de Alá [que era verdade]. O dedo não estava à venda. Parecia ser muito importante para ele e sua família…“

Hoje Spörri se arrepende de ter retornado à sua casa somente com fotos… …Os cientistas não estavam interessados, pois achavam ser impossível. “A relíquia não encaixa em suas teorias“, disse Spörri. Ele não queria zombar dos especialistas e deixou a história morrer. Então, em 2009 ele voltou a pesquisar as antigas relíquias árabes. Mas as pistas de Bir Hooker não estavam mais lá…

Spörri trabalhou intensamente para descobrir mais sobre a relíquia, leu sobre os mitos dos gigantes e também entrou escondido na pirâmide de Giza, onde encontrou enormes sarcófagos não acabados, os quais são muito grandes para pessoas normais.

Teriam existido gigantes no Egito? O historiador romano Flavius Josephus relatou em 79 DC sobre tais seres na história da Guerra Israelita: “Haviam gigantes. Enormes e de forma diferente de qualquer humano normal. Terrível de ser ver. Quem não viu com seus próprios olhos não poderia acreditar que eles eram tão imensos“.

Tudo teoria. O fato é que o dedo ainda não foi encontrado. Spörri decidiu ter uma nova vida em 2008, desistindo de sua profissão. A intrigante descoberta está em seu livro publicado “The Lost God. Day of Doom” (O Deus Perdido. Dia da Maldição – tradução livre do título, n3m3), um suspense no qual mostra a relíquia e uma estória fictícia ao redor do mistério.

O autor diz: “Eu não sou um cientista. Coloquei a relíquia em um romance… … o leitor deverá agora formar sua própria opinião.“

Talvez haja ainda uma nova pista sobre o terrível dedo, para que especialistas possam investigar a história e resolver o mistério de Bir Hooker.

Além de algumas fotos que podem muito bem terem sido forjadas e a palavra de um fotógrafo, não há comprovação alguma de que esta relíquia realmente seja verdadeira. Mesmo assim, ela mexe com nossa imaginação, pois mesmo dentro da literatura reconhecida academicamente de nossa história, embora considerados como meros mitos, há indícios de que nosso planeta abrigava também uma raça de gigantes, a qual provavelmente se extinguiu… ou não.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares

Recomendamos